ansiedade e depressão ansiedade e depressão

Ansiedade e depressão estão sempre interligadas?

3 minutos para ler

Embora a depressão e a ansiedade tenham características clínicas distintas, há alguma sobreposição de sintomas. Por exemplo, tanto na depressão quanto na ansiedade, irritabilidade, diminuição da concentração e sono prejudicado são comuns.

Ter ansiedade e depressão juntas não é algo incomum. Pesquisas mostram que quase metade das pessoas diagnosticadas com depressão também sofre de ansiedade ou vice-versa.

O que vem primeiro, a ansiedade ou a depressão?

Não existe uma regra, mas a ansiedade é, de modo geral, um componente frequente e importante nos quadros depressivos. O DSM-5 (Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) e a CID-11 (Classificação Internacional de Doenças) propõem que se distinga uma forma de depressão, geralmente moderada ou grave, com marcante componente de ansiedade, tensão e inquietação psicomotora, chamada depressão
ansiosa ou depressão agitada. Os sintomas são:
• Nervosismo;
• Insônia;
• Irritabilidade;
• Dificuldade para se concentrar devido a muitas preocupações;
• Medo de que algo horrível possa acontecer;
• Pensamentos de morte ou suicídio.
Gostaria de ressaltar que a ansiedade é uma emoção normal e, é um indicador de doença somente quando os sentimentos se tornam excessivos, obsessivos e se interferirem na vida cotidiana. Quando a ansiedade se torna um problema, os efeitos podem ser físicos, emocionais e comportamentais. Seus sintomas podem levar a um transtorno de ansiedade se forem:
• Grave ou durar muito tempo;
• Desproporcional à situação em questão;
• Causar taquicardia, suor frio, tremores, desconforto respiratório ou sensação de asfixia, náuseas, formigamentos em membros, dedos e/ou lábios.

Tratamento

Os sintomas de insônia e ansiedade são tratáveis. Busque observar os sintomas para entender se é hora de buscar ajuda de um especialista. Existem formas de tratamentos altamente eficazes.

É indicado realizar consultas com um Psiquiatra, que por sua vez pode recomendar o uso de medicamentos e a Terapia cognitivo-comportamental, que funciona muito bem e é o método com muitas evidências de eficácia.

Entretanto, sempre gosto de destacar a importância da prevenção desses quadros procurando investir em uma alimentação saudável, atividades físicas, boas rotinas e qualidade do sono. Ou seja, invista em sua saúde e bem-estar.

E ai, curtiu o artigo de hoje? Confira as nossas redes sociais para continuar por dentro de conteúdos como esse!

Texto: Patrícia de Souza Martins Psicóloga – CRP: 05/40548

Powered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário