diabetes diabetes

Diabetes e os dilemas de quem vive com a doença

5 minutos para ler

Segundo os dados da Sociedade Brasileira de Diabetes, no Brasil há mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença, o que representa 6,9% da população nacional.

Diabetes é uma doença crônica, em que o corpo produz insulina insuficiente ou há má absorção pelo organismo. 

A insulina é o hormônio que regula a glicose no sangue e garante energia necessária para o organismo.

O paciente tem diabetes quando o organismo não fabrica a insulina e assim não consegue utilizar a glicose adequadamente.

Continue a Leitura e saiba como é viver com Diabetes mellitus.

É possível prevenir diabetes tipo 2 com medicamentos?

Verdadeiro. É possível prevenir a doença com medicamentos, porém, é feita somente em alguns casos, avaliados pelo médico. 

Mas a melhor forma de prevenção é com dieta equilibrada, perda de peso e prática de exercícios físicos, principalmente atividade aeróbica de intensidade moderada (pelo menos 3 vezes na semana).

Pessoas com diabetes não podem comer frutas?

Falso. Apesar dos pacientes terem medo ao consumirem carboidratos, eles não precisam evitar comer frutas, basta manter o equilíbrio em todas as alimentações. 

Para quem tem diabetes, um dos maiores desafios é controlar o nível da glicemia. 

Sendo assim, é importante conhecer as frutas que possuem alto índice glicêmico, para adquirir um consumo equilibrado: melão, melancia, banana, manga, entre outras. 

O importante é controlar as porções de frutas e ajustar as doses de insulina, conforme a ingesta dos alimentos. 

Diabetes pode dificultar a cicatrização de machucados?

Verdadeiro. Além de ter que controlar a alimentação e monitorizar a glicemia, também é necessário ter atenção às lesões de pele

Os pacientes apresentam a pele mais seca, devido a anidrose decorrente da neuropatia autonômica periférica e associado a isso possuem diminuição da percepção, visto a perda de sensibilidade nos pés, e consequentemente se machucam sem perceber. 

Existem muitos fatores que dificultam a cicatrização de ferimentos no paciente diabético, são eles: idade avançada, tempo de doença, glicemias elevadas, comprometimento vascular, infecções, anemia e déficit proteico. 

Portanto é importante ficar atento às lesões nos pés e entre os dedos, como bolhas, calos, micoses. Além disso é preciso manter os cuidados diários com a higiene, hidratação, cortar as unhas, usar sapatos confortáveis e evitar andar descalço. 

Fatores de risco associados à diabetes

O que se sabe é que há uma influência genética associada a Diabetes tipo 1. 

Enquanto que para o diabetes tipo 2, os fatores associados são:

  • Diagnóstico de pré-diabetes;
  • Sobrepeso, principalmente se a gordura estiver concentrada em volta da cintura;
  • Familiares com diabetes;
  • Doenças renais crônicas;
  • Mulher que deu à luz criança com mais de 4kg;
  • Diabetes gestacional;
  • Síndrome de ovários policísticos;
  • Apneia do sono;
  • Uso de medicamentos da classe dos glicocorticóides.

Atualmente, o índice de obesidade está crescendo no país. Os dados da pesquisa realizada pelo VIGITEL, mostrou que a taxa de obesidade no Brasil aumentou 67% entre 2006 e 2018. E estar acima do peso é um dos importantes fatores de risco para desenvolvimento do diabetes tipo 2. 

Sintomas de Diabetes mellitus

Os principais sintomas associados são:

  • Fome frequente;
  • Sente mais sede;
  • Vontade de urinar muitas vezes;
  • Perda de peso.

5 medidas de Prevenção do diabetes 

Para a prevenção do diabetes e diversas outras doenças, a melhor opção é a prática de hábitos saudáveis, como:

  • Comer verduras, legumes e frutas;
  • Reduzir o consumo de sal, açúcar e gorduras;
  • Parar de fumar;
  • Praticar exercícios físicos e atividades aeróbicas regularmente;
  • Controlar o peso.

Complicações da doença

Quando não tratado corretamente, o diabetes pode gerar complicações:

  • Neuropatia diabética: a glicemia elevada reduz a capacidade de eliminar radicais livres e isso compromete o metabolismo de diversas células, principalmente dos neurônios e nervos.  A neuropatia é a complicação crônica mais comum e incapacitante do diabetes, sendo responsável por cerca de dois terços das amputações não traumáticas. Ela pode causar diminuição da energia, da mobilidade, da satisfação com a vida, e prejudica as relações sociais;
  • Pé diabético: são conhecidas como ferida no pé das pessoas com diabetes e que possuem difícil cicatrização, decorrente dos níveis elevados de açúcar no sangue;
  • Nefropatia: os altos níveis de glicose no sangue, sobrecarregam os rins, o que provoca perda de moléculas como proteínas na urina. O diagnóstico precoce é feito na fase microalbuminúria, que são pequenas quantidades de proteína na urina. 
  • Retinopatia diabética: se o diabetes não for tratado corretamente pode apresentar problemas oculares e até cegueira. Por isso é fundamental fazer os exames regularmente, como  fundoscopia, para o controle das complicações.

Tratamento e controle do diabetes

Para ter certeza do diagnóstico é importante o teste oral de tolerância à glicose, conhecido como Curva glicêmica. 

Uma das questões mais importante é manter o controle da glicemia, para evitar as complicações. 

O controle ideal da glicemia é a seguinte:

  • Glicemia de jejum não deverá ultrapassar os 100 mg/dL;
  • Duas horas após refeição, a glicemia não deverá ultrapassar 140 mg/dL.

Além das medicações para Diabetes, é fundamental:

  • Planejamento alimentar: manter uma alimentação saudável e equilibrada;
  • Exercícios físicos regulares: quanto mais gasta energia, mais o organismo usa o açúcar do sangue.

Este artigo sobre como viver com Diabetes foi útil para você? Então, fique por dentro de conteúdos relevantes e exclusivos como este seguindo nossa página no Linkedin!

Texto: Lyz Tavares

Powered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário