6 dicas para se preparar para o fim do isolamento 6 dicas para se preparar para o fim do isolamento

6 Dicas para se preparar para o fim do isolamento

5 minutos para ler

Muitos de nós ficamos nos perguntando quando será que tudo voltará ao normal. Apesar disso, é normal ter se acostumado (pelo menos, um pouco) com o estilo de vida criado nesses longos meses de isolamento. Sendo assim, será necessário se adaptar à vida após o fim do isolamento, quando ele chegar.

Nesse sentido, uma das principais maneiras de se preparar para o “novo normal” é cuidar desde já da sua saúde mental, para que os sintomas da ansiedade e estresse não tragam tanto impacto para a nova rotina.

Por isso, confira agora 6 dicas se preparar para o fim do isolamento!

1. Respeite o seu tempo

Todos nós temos um tempo emocional.

Em outras palavras, o período adaptação varia de pessoa para pessoa. Por isso, não se obrigue a ir nos lugares que você ainda não se sente seguro! Afinal, você não precisa ultrapassar seus limites.

2. Refaça a rotina

Talvez alguns dos seus planos para esse período de pandemia tenham sido frustrados. Com isso, é hora de traçar uma nova rota, ressignificar essa frustração e fazer desse momento um motivador para novas metas.

Sendo assim, recomendo que você busque analisar os seus objetivos, e assim, reestruturá-los conforme a sua nova realidade e perspectiva de vida.

3. Valorize os momentos especiais

Estar longe das pessoas que gostamos é uma das coisas mais difíceis da pandemia. Afinal, almoços em família, festas de confraternização e até o típico happy hour de sexta-feira tiveram que ser suspensos.

Mas podemos usar essa fase de distanciamento para perceber o quanto a presença das pessoas queridas é importante. Dessa forma, quando a quarentena passar, poderemos aproveitar ainda mais os momentos com pessoas que fazem parte da nossa vida.

4. Leve alguns hábitos de quarentena para a vida

Durante a pandemia, precisamos adaptar nossa rotina para ficarmos mais seguros com relação a transmissão do Coronavírus. Assim, nós desenvolvemos diversos hábitos que não eram tão comuns antes, mas que são muito positivos não só para nós, mas para a nossa comunidade como um todo.

Nesse sentido, apoiar os pequenos empreendedores do seu bairro é um hábito que pode (e deve) ser levado para a vida, como forma de melhorar a economia local e a vida das famílias brasileiras. Além disso, manter as mãos limpas evitam a propagação de outros vírus e bactérias, o que ajuda a proteger a saúde como um todo.

Outro exemplo é a higienização do que compramos no mercado, que faz muito sentido em qualquer cenário: tanto para eliminar vírus e bactérias, quanto para remover poeira e outras impurezas que podem se acumular nas embalagens.

Por isso, mesmo depois da quarentena, esses são hábitos que valem a pena manter após o fim do isolamento.

5. Tire um tempo para desacelerar

O isolamento social também fez com que muitas pessoas tivessem mais tempo para refletir sobre suas rotinas e a forma como estavam levando a vida. Afinal, com a correria do dia a dia, muita gente percebeu que não sabia aproveitar a própria companhia, ou o seu próprio lar. Em outros casos, as pessoas notaram que não estavam cuidando bem da saúde física e mental por falta de tempo.

Sendo assim, é importante continuar valorizando momentos seus, em que você pode se desconectar do mundo exterior, relaxar e cuidar melhor da saúde mental.

6. Busque apoio psicológico

Todos nós nos sentimos tristes, com raiva ou ansiosos em alguns momentos de nossa vida, ou mesmo durante o dia a dia. Nesse sentido, as emoções consideradas negativas também são muito importantes, porque é através delas que nos fortalecemos, que aprendemos a lidar com as frustrações, que desenvolvemos a resiliência e muitos outros aprendizados.

Sendo assim, sempre é recomendável contar com um auxílio psicológico profissional. Em geral, todos temos coisas para resolver com nós mesmos, e o acompanhamento com um psicólogo é fundamental para esse processo de autoconhecimento.

Além disso, o excesso de desânimo, de estresse, os momentos de raiva constantes e a ansiedade podem ser levados para o consultório psicológico e, por meio de um processo psicoterapêutico, ser desenvolvida a sua capacidade de melhor compreender e lidar com as emoções.

E não precisa esperar acabar a quarentena. O acompanhamento psicológico é um trabalho à longo prazo, e, por isso, pode ser iniciado no momento em que sentir a necessidade.

A pandemia ainda não foi totalmente controlada, e a vacinação da população ainda está ocorrendo. Por isso, temos que manter a cautela, e ao poucos nos abrir para o fim do isolamento social.

Neste momento, o seu maior inimigo são os pensamentos negativos. Portanto, trabalhar a aceitação, o gerenciamento das emoções e aprender a flexibilizar é fundamental, afinal, a vida continua e temos que continuar fazendo projetos, sonhando, estabelecendo metas usando nossa capacidade nos reinventarmos mediante este novo normal.

Continue se cuidando, use máscara e, acima de tudo: se vacine!

Texto por: Anny Mello – CRP 05/53297

Posts relacionados

Deixe um comentário