Subscribe Now

Trending News

Câncer de mama: como evitá-lo?
Bem Estar

Câncer de mama: como evitá-lo?

Sempre é tempo de se falar em saúde da mulher, mas, durante o Outubro Rosa, essa discussão ganha maior destaque.

Nesse contexto, falaremos sobre o câncer de mama, câncer que mais afeta mulheres no Brasil e no mundo!

Um tumor frequente

Segundo o Globocan 2018, foram mais de 2 milhões de casos diagnosticados mundo afora só no ano passado!

Sem contar com os cânceres de pele não melanoma, estima-se que, em 2019, quase 30% dos cânceres diagnosticados em mulheres no Brasil sejam da mama .  

Muitas pessoas ainda morrem decorrência desse tumor tão frequente, embora a doença seja altamente curável, principalmente quando detectada em estágios iniciais.

Genética

O diagnóstico e o tratamento local e sistêmico do câncer estão em constante evolução, dado o melhor conhecimento das características moleculares dos tumores, e aí entra a genética.

Percebeu-se que algumas famílias têm risco aumentado para a ocorrência de câncer de mama. Aquelas em que o câncer de mama ocorreu em idade mais precoce, sobretudo o tipo triplo negativo, quando ocorreu em homens ou quando há outros familiares acometidos, seja por câncer de mama ou de ovário, pâncreas ou próstata metastático, estão em maior risco.

Investigação genética

Para essas pessoas, não apenas os testes genéticos estão indicados, quanto são cobertos pelos convênios médicos na maioria dos casos. A investigação genética ajuda na estimativa de risco para a pessoa e para seus familiares, e às vezes no próprio tratamento.

Manutenção da fertilidade

Outro aspecto muito importante no tratamento do câncer diagnosticado em mulheres férteis é o desejo da manutenção da fertilidade. Essa conversa precisa acontecer antes do início da terapia, pois tanto a radioterapia quanto a quimioterapia podem prejudicar esses planos.

O congelamento de óvulos é uma das possíveis estratégias para preservação da fertilidade. Nos casos em que se detecte uma predisposição genética ao câncer, é possível até selecionar um embrião que não herde essa predisposição específica, no caso de desejo de gestação após o tratamento .

Como evitar o câncer de mama?

Além dos exames que avaliam genes relacionados à predisposição ao câncer em células normais, existem outros que avaliam o tumor. Essa análise de células doentes, em alguns casos, permite estimar o risco de recorrência da doença, e o benefício da pessoa ser submetida a quimioterapia, a terapia hormonal ou não.

Diante de tudo isso, a próxima pergunta é: o que faço para evitar? Alguns fatores de risco fazem parte de nós, como os hereditários, hormonais e reprodutivos, idade e etnia. Já outros fatores, como o cigarro, o consumo frequente de bebidas alcoólicas e a obesidade, poderiam ser evitados. A prática de atividades físicas, uma alimentação rica em vegetais, e a amamentação são outras formas de se proteger do câncer de mama.

Individualidade

Entendo que cada pessoa tem sua história pessoal e familiar, o rastreio também precisa ser individualizado. Enquanto para algumas mulheres basta uma mamografia anual na época prevista para a população; para outras se recomendam exames mais frequentes, desde uma idade mais precoce, e o auto-exame da mama.

Converse com seu médico ou médica para saber o que é melhor para você! Se tiver história pessoal ou familiar de câncer de mama, o ideal seria consultar um médico geneticista com experiência em câncer, para uma avaliação personalizada e devido aconselhamento genético.

Texto: Dra Thereza Loureiro

REFERÊNCIAS

2           https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama

1           BRAY, F. et al. Global Cancer Statistics 2018: GLOBOCAN Estimates of Incidence and Mortality Worldwide for 36 Cancers in 185 Countries. CA: a Cancer Journal for Clinicians, v. 68, n. 6, p. 394-424, 2018.

3           ALLEMANI, C. et al. Global surveillance of trends in cancer survival 2000–14 (CONCORD-3): analysis of individual records for 37 513 025 patients diagnosed with one of 18 cancers from 322 population-based registries in 71 countries. Lancet, v. 391, n. 10125, p 1023-1075, 2018.

4           ANDERSON, D. E. Familial versus Sporadic Breast Cancer. Cancer, v. 70, n. 6, p. 1740-46, 1992. Suppl. 25.

5           https://www.nccn.org/professionals/physician_gls/pdf/genetics_screening.pdf

6 http://www.ans.gov.br/images/stories/Particitacao_da_sociedade/consultas_publicas/cp61/Anexo_II_DUT_Rol_2018_final_26.06.2017.pdf

7           SHAH, Nikita M. et al. Young women with breast cancer: fertility preservation options and management of pregnancy-associated breast cancer. Annals of surgical oncology, v. 26, n. 5, p. 1214-1224, 2019. https://doi.org/10.1245/s10434-019-07156-7

8           DONNEZ, Jacques; DOLMANS, Marie-Madeleine. Fertility preservation in women. New England Journal of Medicine, v. 377, n. 17, p. 1657-1665, 2017. http://dx.doi.org/10.1056/NEJMra1614676

9           LAMBERTINI, Matteo et al. Fertility and pregnancy issues in BRCA-mutated breast cancer patients. Cancer treatment reviews, v. 59, p. 61-70, 2017. http://dx.doi.org/10.1016/j.ctrv.2017.07.001

10          https://endopredict.com/

11          PAIK, S. et al. A multigene assay to predict recurrence of tamoxifen-treated, node-negative breast cancer. New England Journal of Medicine, v. 351, n. 27, p. 2817-2826, 2004.

12          VAN’T VEER, L. J. et al. Gene expression profiling predicts clinical outcome of breast cancer. Nature, v. 415, n. 6871, p. 530-536, 2002.

13          APOSTOLOU, P.; FOSTIRA, F. Hereditary breast cancer: the era of new susceptibility genes. BioMed Research International, v. 2013, Article ID 747318, 2013. Avaiable at: http://dx.doi.org/10.1155/2013/747318. Access in: 27 fev. 2017.

14          WORSHAM, M. J. et al. Multiplicity of benign breast lesions is a risk factor for progression to breast cancer. Clinical Cancer Research, v. 13, n. 18, p. 5474-5479, 2007.

15          LEVY-LAHAD, E.; FRIEDMAN, E. Cancer risks among BRCA1 and BRCA2 mutation carriers. British Journal of Cancer, v. 96, n. 1, p. 11-15, 2007.

16          SYNGLETARY, E. S. Rating the risk factors for breast cancer. Annals of Surgery, v. 237, n. 4, 474-482, 2003

17          JARDINES, L. et al. Breast cancer overview: risk factors, screening, genetic testing and prevention. Avaiable at: https://www.cancernetwork.com/cancer-management/breast-cancer-overview-risk-factors-screening-genetic-testing-and-prevention. Access in: 07 set. 2016.

18          LUO, J. et al. Association of active and passive smoking with risk of breast cancer among post-menopausal women: a prospective cohort study. British Medical Journal, v. 342, p. d1016, 2011. doi: 10.1136/bmj.d1016

19          AL-DELAIMY, W. K. et al. A prospective study of smoking and risk of breast in young adult women. Cancer Epidemiology and Prevention Biomarkers, v. 13, n. 3, p. 398-404, 2004.

20          VAN DEN BRANT, P. A. et al. Pooled analysis of prospective cohort studies on height, weight and breast cancer risk. American Journal of Epidemiology, v. 152, n. 6, p. 514-527, 2000.

21          KYU, H. H. et al. Physical activity and risk of breast cancer, colon cancer, diabetes, ischemic heart disease and ischemic stroke events: systematic review and dose-response meta-analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. British Journal of Cancer, v. 354, p. i3857, 2016.

22          BRENNAN, Sarah F. et al. Dietary patterns and breast cancer risk: a systematic review and meta-analysis. The American journal of clinical nutrition, v. 91, n. 5, p. 1294-1302, 2010.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert
fale conoscoPowered by Rock Convert

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *