Subscribe Now

Trending News

O que é atenção primária à saúde (APS)?
Bem Estar

O que é atenção primária à saúde (APS)?

O tema atenção primária à saúde (APS) entrou na agenda dos gestores e dirigentes na saúde suplementar.  A Organização Mundial da Saúde a definiu para atingir em todos os países um nível de bem-estar físico, mental e social dos indivíduos e as comunidades.

A atenção primária à saúde abrange, por exemplo, a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a manutenção da saúde. Além disso, há uma integração de ações preventivas e curativas, bem como a atenção a indivíduos e comunidades.

Então, é o primeiro nível de contato dos indivíduos, da família e da comunidade com o sistema nacional de saúde, levando a atenção à saúde o mais próximo possível do local onde as pessoas vivem e trabalham, constituindo o primeiro elemento de um processo de atenção continuada.

Assim sendo, no artigo de hoje iremos explicar mais sobre o que é a atenção primária. Essa questão tem passado por um desconhecimento, proposital ou não, que tem levado a uma má compreensão da mesma.

Atributos fundamentais da atenção primária à saúde (APS)

Em primeiro lugar, é importante saber no que se baseia a atenção essencial à saúde. Segundo a Declaração de Alma-ata, a atenção essencial à saúde está baseada em tecnologia e métodos práticos.

Estes precisam ser cientificamente comprovados e socialmente aceitáveis, tornados universalmente acessíveis a indivíduos e famílias na comunidade, por meios aceitáveis para eles e a um custo que tanto a comunidade como o país possa arcar em cada estágio de seu desenvolvimento.

Conheça a seguir, quais são os quatro atributos fundamentais da APS:

Constituir a porta de entrada do serviço

Certamente, é esperado que a APS fosse mais acessível à população, em todos os sentidos, e que com isso seja o primeiro recurso a ser buscado.

O acesso possui o conceito de ser a “porta de entrada” do sistema e pode ser medido pela facilidade com que o paciente consegue um encontro com sua equipe e seu médico de referência.

Além disso, está relacionado a diferentes formas de acesso (presencial, telefone, e-mail) e diversidade de horários disponíveis. É o atributo essencial frequentemente listado como mais importante.

Continuidade do cuidado

É mantido um vínculo entre a pessoa atendida com o serviço ao longo do tempo. Dessa forma, quando uma nova demanda surge, esta será atendida de forma mais eficiente. Essa característica também é chamada de longitudinalidade.

 Isso significa o cuidado ao longo do tempo, passando por todas as fases do ciclo de vida. Assim sendo, a satisfação do usuário, bem como o vínculo, está relacionada a esse atributo.

Integralidade

Nessa característica, a Integralidade também significa a abrangência ou ampliação do conceito de saúde, não se limitando ao corpo puramente biológico.

 Da mesma forma, se relaciona com o nível primário, que é responsável por todos os problemas de saúde. Ainda que parte deles seja encaminhado a equipes de nível secundário ou terciário, o serviço de Atenção Primária continua corresponsável.

Enfim, é a capacidade de ofertar a maior variedade de serviços possível no âmbito da APS que deve, de maneira ideal, incluir, por exemplo, puericultura, pré-natal, cuidados paliativos essenciais e pequenos procedimentos.  

Coordenação do cuidado

Mesmo quando parte substancial do cuidado à saúde de uma pessoa for realizado em outros níveis de atendimento, o nível primário organiza, coordena e/ou integra esses cuidados, já que frequentemente são realizados por profissionais de áreas diferentes ou terceiros, e que acabam tendo pouco diálogo entre si.

Logo, a coordenação do cuidado está relacionada à atitude de referenciar os pacientes a outros pontos de atendimento e acompanha-los em toda a sua jornada no sistema de saúde.

Declaração de Alma-Ata

Você sabe o que é a declaração de Alma-Ata? O documento propõe a instituição de serviços locais de saúde centrados nas necessidades da saúde da população e fundados numa perspectiva interdisciplinar envolvendo médicos, enfermeiros, parteiras, auxiliares e agentes comunitários, bem como a participação social na gestão.

Além disso, também descreve ações mínimas, necessárias para o desenvolvimento da APS nos diversos países.

Por exemplo, educação em saúde voltada para a prevenção e proteção, distribuição de alimentos e nutrição apropriada, tratamento da água e saneamento, saúde materno-infantil, planejamento familiar, imunização, prevenção e controle de doenças endêmicas, tratamento de doenças e lesões comuns, além do fortalecimento de medicamentos essenciais.

Uma proposta dentro de um contexto muito maior

Tudo isso é muito além que um pacote seletivo de cuidados básicos em saúde. Assim sendo, aponta para a necessidade de sistemas de saúde universais, concebendo a saúde como um direito humano.

Apontando, também, para a redução de gastos com armamentos e conflitos bélicos e o aumento de investimentos em políticas sociais para o desenvolvimento das pessoas excluídas, o fornecimento e até mesmo a produção de medicamentos essenciais para distribuição à população de acordo com as suas necessidades.

Atenção primária à saúde como uma referência fundamental

Mesmo sem ter sido alcançada plenamente, a APS tornou-se uma referência fundamental para as reformas sanitárias ocorridas em diversos países nos anos 80 e 90.

Muitos países e organismos internacionais adotaram a APS numa perspectiva focalizada, entendendo a atenção primária como um conjunto de ações de saúde de baixa complexidade, dedicada a populações de baixa renda, no sentido de minimizar a exclusão social e econômica.

Não basta contratar médicos de famílias

Assim, fica claro que não basta contratar médicos de família ou criar “centros de atenção primária”.

É importante realizar a organização do sistema e, neste contexto, se destaca a importância da coordenação do cuidado. Talvez este fator seja mais importante que apenas contratar médicos de família, permitindo uma ação de maior escala, integração com a rede assistencial, uso de registros eletrônicos e telemedicina e a utilização de profissionais que atuam como “navegadores” no cuidado.

A organização do sistema com a utilização da APS, em sua integralidade, propicia a mudança do modelo de remuneração focando não apenas nos procedimentos hospitalares, mas no cuidado em saúde.

Gostou? Quer ler sobre outros assuntos como esse? Então, fique sempre ligado no nosso blog!

fale conoscoPowered by Rock Convert

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *