Durante a pandemia, a rotina da população é totalmente alterada de forma súbita. O isolamento domiciliar ocorre em casos de síndrome gripal ou diagnóstico confirmado e a quarentena previne que novas infecções aconteça em pessoas saudáveis.

Além do cuidado físico necessário ao momento, há de se preocupar também com os aspectos psíquicos e mentais que o isolamento e a quarentena podem trazer à população, não só individualmente, mas também à coletividade.

Diante desse contexto, a Conexa Saúde separou algumas dicas para deixar sua quarentena mais agradável. Se quiser saber mais, continue com a leitura!

Saúde Física

Aquele sagrado dia na academia, o exaustivo treino de crossfit ou o relaxante pilates da semana foi prejudicado com essa quarentena ? Nesse contexto, ficar tanto tempo sem praticar atividade física gera uma sensação desagradável, no entanto, medidas como caminhada no condomínio (sem que haja contato com outras pessoas), exercícios com peso do próprio corpo ou então com utensílios de casa pode manter sua vida ativa.

Além disso, se alimentar de forma saudável facilita o bem estar físico e mental, reduzindo a sensação de culpa. Outro ponto de vista nessa situação é a chance de implementar novos hábitos saudáveis se você mantinha uma rotina sedentária por conta da correria do dia a dia.

Estudo, leitura e organização

Esse é o momento ideal para colocar no papel aquele projeto que está em mente por muito tempo, terminar um livro pendente ou pode ser um ótimo tempo para aprender ou aperfeiçoar assuntos de seu interesse.

Aproveite esse momento para organizar sua casa, seus livros, materias de trabalho e estudo. Se possível, continue seu trabalho em casa, e tente ao máximo fazer tudo de sua rotina.

Vale ressaltar também, a importância do lazer com sua família e aproveite sem culpa o tempo com eles em casa.

Telepsicologia

A definição de Telepsicologia consiste na prestação de serviços psicológicos usando as tecnologias de informação e comunicação, que pode ser por meio de áudio ou videoconferências. 

Inegavelmente que a psicoterapia por meio de videoconferência proporciona amplo acesso entre os pacientes e os profissionais com alto nível de conhecimento, ultrapassando as barreiras geográficas. 

Pessoas que tinham consultas regulares ou eventuais, beneficiam-se da ferramenta na continuidade do acompanhamento com psicólogo, algo que é essencial para saúde mental da população. Ou ainda, se houver fragilidade emocional diante toda a situação vigente no momento, a telepsicologia pode auxiliar na tranquilização das pessoas, evitando o pânico generalizado.

Além disso, os pacientes que podem ser beneficiados pela Telepsicologia são os que possuem algum tipo de inibição frente a psicoterapia tradicional, transtornos de ansiedade, fobia social e agorafobia.

Evitar noticiário que estimule o pânico

Atualmente, Coronavírus é o assunto mais comentado em todos meios de comunicação na atualidade, no entanto, algumas pessoas sofrem com o excesso de informações, geralmeto medo, preocupação e pânico.

Por isso, é válido evitar notícias de fontes não confiáveis, redes sociais e noticiários na televisão. Fique por dentro dos assuntos em sites confiáveis, como o do Ministério da Saúde, Organização mundial da Saúde (OMS) e Centers for Disease Control and Prevention (CDC), que tem o intuito de ajudar a população no combate da doença.

Cada pessoa responde diferentemente a situações de estressantes: à forma como cada um vai lidar com à pandemia pode depender das experiências anteriores com crises, a personalidade, a comunidade onde se vive, entre outros.

Gostou do artigo de hoje? Estamos produzindo conteúdos exclusivos durante esse momento difícil para disseminar informações corretas sobre o assunto.

Siga a gente no Instagram e continue acompanhando! Não esqueça de deixar seu comentário aqui embaixo.

Referências

COVID-19: OMS DIVULGA GUIA COM CUIDADOS PARA SAÚDE MENTAL DURANTE PANDEMIA. Organização Mundial da Saúde. Disponível em: 18 de Março de 2020: <https://news.un.org/pt/story/2020/03/1707792>. Acesso em: 22 de Março em 2020.

Texto: Marlon Manhães Faes e Lyz Tavares de Sousa, estudantes de Medicina e estagiário da Conexa