Subscribe Now

Trending News

Síndrome do impostor: entenda o que é
Saúde no Trabalho

Síndrome do impostor: entenda o que é

Você não é merecedor do seu sucesso. Se chegou onde está, foi por pura sorte. Todos os seus colegas de trabalho parecem muito mais habilidosos que você.

Se identificou mais do que gostaria com estas frases? Infelizmente, temos uma má notícia: é possível que você sofra da síndrome do impostor.

Não se desespere, porque você está longe de estar sozinho nesta. Ninguém menos que a ex primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, compartilhou em uma palestra no ano passado que sofre deste mal.

Este é um desafio que pode afetar todas as áreas da vida: relacionamentos amorosos, amigos, família e trabalho. No âmbito profissional, o sentimento pode ser ainda mais os recorrente por se tratar de um espaço que lida diretamente com os conceitos de mérito e capacidade.

Para entender melhor do que se trata a síndrome do impostor e como combatê-la, continue a leitura.

Entenda a síndrome do impostor

Mas afinal, o que é esta tal síndrome?

De acordo com a psicóloga britânica Rachel Buchan, trata-se de “uma crença interior de que você não é bom o suficiente, ou não pertence” que se manifesta principalmente no trabalho.

A síndrome do impostor pode afetar qualquer pessoa. É um sentimento irracional, que pode ter como fonte vivências da infância, inseguranças ou barreiras de preconceito impostas pela sociedade no caso de grupos minoritários.

O que Michelle nos ensina

Analisemos o caso da senhora Obama. A ex primeira-dama quebrou recordes de venda com a sua autobiografia e foi eternizada como uma das maiores personalidades mundiais. Ainda sim, ela sofreu com dúvidas sobre si mesma.

“Hoje em dia, os mais jovens chamam isso de síndrome de impostor. Sentem que não cabem ali, não pertencem. Eu tive de trabalhar duro para superar aquela pergunta que ainda faço a mim mesma: ‘eu sou boa o suficiente?’. É uma pergunta que me persegue por grande parte da minha vida. Estou à altura disso tudo? Estou à altura de ser a primeira-dama dos Estados Unidos?”, contou Michelle.

O que podemos entender do caso de Michelle Obama é que a síndrome de impostor é uma espécie de fantasma que assombra a mente, fazendo com que a vítima nunca se sinta suficiente.

Cultura do feedback como ajuda no combate

É sempre complicado dar dicas práticas para combater questões do inconsciente. Então, antes de tudo, procure um psicólogo para ser ajudado de forma adequada por um profissional.

Mas há algumas atitude que podem auxiliar no combate da síndrome do impostor no dia a dia do trabalho. Uma delas é incentivar que a empresa tenha a cultura do feedback

É muito injusto que o colaborador só ouça uma crítica sobre seu trabalho quando ela é negativa. O feedback constante e positivo é essencial.

Isso fará com que o colaborador se sinta mais valorizado e veja na prática como o resultado que ele entrega é satisfatório para a empresa.

Quando a insegurança bater, ele poderá ver como o que os fantasmas na cabeça dele dizem não se aplica.

Gostou das dicas? Siga a Conexa Saúde no Instagram para ver mais!

Texto: Manoela Caldas.

fale conoscoPowered by Rock Convert

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *